Narcís Comadira
LA IL·LUSTRACIÓ POÈT&K METROPOLITANA & CONTINENTAL
Plurilingual Anthology of Catalan Poetry
Português

 
Narcís Comadira
(Girona, 1942)


AS CIDADES
FALCOARIA











 
 
 

AS CIDADES
 

Li uma vez que Morosini,
general, embaixador
de Veneza, quis
levar consigo as esculturas
do frontão do Pártenon.

Mandou montar um andaime,
mandou trepar os escravos
e, no momento mais difícil,
alguma escora falhou.
Tombaram homens e estátuas.

Decepcionado, o general
abandonou o seu projecto.
Ele queria-as inteiras.
Os pedaços assim espalhados
serviram para construir casas.

Muitos sábios meditaram
sobre o mistério surpreendente
de poder criar beleza
a partir de um bloco de mármore.
Poucos sobre o caminho contrário.

Obter um silhar adequado
do torso de algum deus antigo,
converter em cascalho uma vénus,
poder pisar paralelipípedos
feitos de membros sagrados...

Assim se fizeram as cidades:
lentamente construidas
com pedras que ontem foram
vidas humanas: amores,
sofrimentos que ninguém recorda.


Translated by Egito Gonçalves
Quinze poetas catalães, Ed. Limiar, Porto, 1994.



 
 
 
 
 
 


 
 

FALCOARIA



Agora sou um falcão e sobre a mão
do meu dono me firmo. O ar puro da manhã
respiro e o cheiro do veludo e das martas, o suor dos cavalos,
o feno pisado, os vapores
que sobem da terra.
Ervas e florinhas, tapete axadrezado que verei
das alturas quando em círculos, magnificente
observe os meus domínios, a pradaria, os arbustos,
o regato, a fugidia lebre.
E os cavalos, os cães, o dono
com os seus cavaleiros e o falcoeiro-mor,
pagens e servidores, todos iguais de tão pequenos,
espalhados pelo prado...
Agora o dono disse-me: quero uma grande lebre,
cheirosa de lentisco (o meu dono é poeta),
enquanto me acariciava a plumagem com o dedo.
Sinto-me imperador, na mão do meu dono, firme,
com o meu capuz de couro todo enfeitado.
Há movimento, alvoroço, relinchos, escarvar
e os moços dos canis que libertam e incitam os cães.
Aproxima-se o momento, o dono afaga-me,
quer uma grande lebre, cheirosa de lentisco
(eu também sou poeta). O coração pulsa com violência
e nestes momentos, agora, eu sou o dono e senhor
do mundo e da gente. Todos dentro do meu círculo,
de mim pendentes, esperando como me perco e regresso,
como o meu voo se vai cingindo, calculando
ao ver a lebre temerosa.
Os olhos são como setas, as garras agudizam-se
e uma dulcíssima vertigem me possui.
São um só céu e terra, árvores e nuvens, a erva e a pele
arisca da lebre. Nada vejo. Uma força
me arrasta para o fundo, para o poço do nada,
desço como um relâmpago. Por qual
vontade me pauto?
Qual a força obscura que me arrasta, que fios
movem as minhas asas, que fogo
poderá aquecer tanto
o sangue do meu corpo?

Agora tenho já
nas garras a lebre morta,
cheirosa de terra e de lentisco.
Tudo terminou, já se afundou o império.
O falcoeiro-mor
deixará que eu destroce um pedaço do cálido fígado...
Depois o dono rirá com os seus amigos
e eu me sentirei ridículo
com o meu capuz cheio de fitas.

Dura sempre tão pouco
aquilo que nos permite o esquecimento!

 

Translated by Egito Gonçalves
Quinze poetas catalães, Ed. Limiar, Porto, 1994.



 
 
 
 
 
 

 ñ