Josep Maria Llompart
LA IL·LUSTRACIÓ POÈT&K METROPOLITANA & CONTINENTAL
Plurilingual Anthology of Catalan Poetry
Português

 
Josep Maria Llompart
(Palma de Mallorca, 1925)


AMARAM-SE, SOUBERAM...
SOU CIDADÃO DE UM DÓCIL TERRITÓRIO...
CAMINHO DA FONTE













 
 
 

AMARAM-SE, SOUBERAM...


Amavam-se, sabei,
VICENTE ALEIXANDRE


Amaram-se; souberam
a urgência do sexo, como as veias
num momento se podem encher de água
salobre, de sol estival, de peixes
voadores.
                 Escondiam-se
na noite do pinhal ou pelos mornos
cantos de sombra.
Sentiam, fatigados,
o rumor da borrasca ou o longinquo
zumbir da cidade.
Ao acordar pela manhã ela acreditava
sentir no quarto um perfume de rosas,
e ele pensava o primeiro verso
de um poema que afinal nunca escreveu.

As bodas foram muito excitantes.
Têm um filho notário na península
e uma filha com noivo.
São gente a que chaman respeitável.

Regressam a casa ao fim da tarde, vagarosos,
saboreando, cansados, o crepúsculo.
Algumas vezes os olhos se lhes perdem,
com uma ponta de impaciência, entre os ramos
das árvores da rua, como se buscassem
um resto de vigor ou de carícia.
Olham os anos, o céu, as horas
secas,
o relógio e a poeira. Caminham. Calam.
 


Translated by Egito Gonçalves
Quinze poetas catalães, Ed. Limiar, Porto, 1994.



 
 
 
 
 
 


 
 

SOU CIDADÃO DE UM DÓCIL TERRITÓRIO...



Sou cidadão de um dócil território,
obtuso habitante de fulminante aldeia;
vivem em mim inominadas mortes, confusão
de estandartes sombrios, fantasmas de lura.

Irado e louco, pregador enganado,
escrevo o nome ardente com marfim e piche:
tabuleiro de xadrez onde tomam posse
ânsias, afãs, com férreo clamor.

Sou verme condenado, humilhado, atrás
de vaga ardente em mar de limo e lama,
grito na noite, espera desesperada,

e sigo adiante, para além do negro e branco,
alma adentro, arvorando a bandeira:
sobre amarelas dedadas de sangue áspero.
 


Translated by Egito Gonçalves
Quinze poetas catalães, Ed. Limiar, Porto, 1994.



 ñ
 
 
 
 
 
 


 

 
 
CAMINHO DA FONTE


Homenagem a Pero Meogo


Sedentos veados
pelo pinheiral,
no bebedouro abriam-se
os montanhosos cumes.
Veados que bebiam
com focinhos trémulos.
A amiga chegava
buscando o amado:
pérolas orvalhavam
faces de coral.
Veados afastavam-se
no entardecer suave,
a água sussurrava
na sua solidão.


Translated by Egito Gonçalves
Quinze poetas catalães, Ed. Limiar, Porto, 1994.


 
 
 
 
 
 
 

 ñ